O PROBLEMA: SEM FLORESTA NÃO TEM SAUIM

COMO COMEÇOU?

O crescimento acelerado e desordenado da Região Metropolitana de Manaus nos últimos anos tem promovido a fragmentação da área de floresta nativa e esse processo tem gerado impactos negativos sobre a fauna e a flora locais.

 

Uma das espécies mais afetadas é o macaco Saguinus bicolor (o sauim-de-coleira), uma espécie da fauna brasileira Criticamente Ameaçada de Extinção e que consta na "Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção" (Portaria MMA nº 444/2014).

 

O desaparecimento das áreas verdes, fragmentos florestais urbanos e das áreas de preservação permanente na malha urbana da cidade de Manaus, tem trazido também sérias consequências para a qualidade de vida de seus moradores, e afetado de maneira negativa os esforços para a preservação do sauim-de-coleira.

 

No entanto, já existe uma ampla documentação técnica e científica amparando as conclusões de que medidas urgentes precisam ser tomadas, e mais: de que é possível minimizar e até reverter os danos que estão impedindo a sobrevivência do sauim. Mas, para isso é necessária uma ação efetiva do poder público e da sociedade.

 

COMO PODEMOS MUDAR ISSO?

A criação de áreas verdes é uma medida que comprovadamente contribui para o aumento da qualidade de vida da população de uma cidade como um todo. Os benefícios á fauna e a flora são apenas uma parte dos benefícios previstos com a sua implantação. Outras vantagens advindas dos corredores ecológicos e que trazem benefícios diretos para a população urbana são:

 

● Diminuição das altas temperaturas associadas a ilhas de calor.

● Filtro contra a poluição do ar e sonora, contribuindo para paisagens urbanas mais agradáveis.

● Diminuição de stress e uma melhoria na saúde física e mental devido ao contato com a natureza.

● Prática de esportes ao ar livre, lazer e contemplação da natureza.

● Possibilidade de instalação de parques municipais, praças poliesportivas, playgrounds, ciclovias, etc.

● Garantir a manutenção da beleza cênica local.

● Diminuição de problemas sociais nas vizinhanças imediatas, pelo uso público e constante.

● Assegurar o perfeito escoamento das águas fluviais, evitando inundações.

● Disciplinar o uso e ocupação do solo, prevenindo assim o assoreamento e a poluição dos rios.

● Valorização dos imóveis.

● Desenvolver na população local uma consciência ecológica e conservacionista.

©COPYRIGHT 2016

MOVIMENTO FICHA VERDE | PAN SAUIM DE COLEIRA